"Não me tornei ator para isso": Filmar O Hobbit foi uma tortura para Ian McKellen em seu retorno como Gandalf
31/01/2024 14:54 em Notícia Local

É uma das obras de fantasia mais famosas de todos os tempos, mas, apesar do seu apelo e da paixão que despertou entre os seus leitores, O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien, foi considerado infilmável durante décadas Mas Peter Jackson provou ao mundo que isso estava errado com o lançamento do primeiro filme em 2001, A Sociedade do Anel, que foi seguido por As Duas Torres e O Retorno do Rei em 2002 e 2003, respectivamente, e estabeleceu novos padrões para o gênero de fantasia com sua trilogia monumental.

 
 
5
 
 
Adorocinema
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada Trailer Legendado
0
 

A recompensa foram 17 Oscars (onze deles para a conclusão da trilogia, O Retorno do Rei, que inclusive ganhou o prêmio de Melhor Filme) e uma bilheteria total de cerca de três bilhões de dólares, sem falar no entusiasmo unânime por parte do fãs e críticos.

Os três filmes foram filmados consecutivamente, então as filmagens na Nova Zelândia, terra natal de Peter Jackson, ocorreram durante 438 dias. Anos depois, todos os atores envolvidos no projeto elogiaram a experiência única que tiveram e a solidariedade no set. Assim, não é surpreendente que Ian McKellen tenha concordado prontamente para retornar na trilogia O Hobbit para reprisar seu papel como o mago Gandalf.

 

No entanto, o triunfo sem precedentes de O Senhor dos Anéis não poderia ser repetido e, apesar da excitação e do seu sucesso, provavelmente apenas alguns fãs de Tolkien pensam que os filmes de O Hobbit estão à altura da trilogia cinematográfica que o precede.

Ao contrário de O Senhor dos Anéis, que estava realizando um sonho como diretor, Jackson assumiu a direção no último minuto, depois que Guillermo del Toro jogou a toalha, então a nova trilogia provavelmente não significava a mesma coisa para ele em um nível emocional e artístico. Além disso, a trilogia O Senhor dos Anéis conseguiu recorrer a toneladas de material, enquanto O Hobbit pretendia criar três obras cinematográficas a partir de um único romance médio, algo que é muito perceptível no resultado.

As necessidades de filmagem também mudaram drasticamente na era digital: Enquanto a trilogia original é atemporal e impressionante, especialmente pelas filmagens em locais naturais reais e usou numerosos efeitos práticos, O Hobbit seria dominado pelo CGI e uso de chroma key. Circunstância que incomodou Ian McKellen, que chegou a chorar no set

 

"Eu estava infeliz", admitiu McKellen à Time Out sobre atuar predominantemente na frente de telas verdes durante a produção de O Hobbit.

"Pode ser impressão minha, mas não me lembro de uma tela verde em O Senhor dos Anéis. Se Gandalf estivesse no topo de uma montanha, eu estaria lá na montanha. A tecnologia estava sendo inventada enquanto fazíamos o filme. [Em O Senhor dos Anéis] eu não estava envolvido em nada disso, estava atuando em uma montanha. Costumo não me lembrar dos momentos ruins, mas acho que não houve nenhum. Acho que aproveitei cada momento de fazer esses filmes", relembrou o ator.

Da mesma forma, McKellen também contou sua experiência em entrevista à Contact Music: "Para fotografar os anões e um Gandalf grande, não poderíamos estar no mesmo cenário. Tudo que eu tinha como companhia eram 13 fotografias dos anões em cima de estandes com pequenas luzes", lembrou ele. "Fingir que você está com outras 13 pessoas quando está sozinho, isso leva sua habilidade técnica ao limite absoluto".

Na verdade, chorei. Chorei . Então disse em voz alta: 'Não foi por isso que me tornei ator'. Infelizmente, o microfone estava ligado e todo o estúdio ouviu

Peter Jackson confirmou mais tarde que Ian McKellen sofreu com as limitações das filmagens de O Hobbit e a falta de interação. No entanto, o britânico mais uma vez deu tudo de si para cumprir seu papel de protagonista. Em todo caso, não foi culpa dele o fracasso dos filmes, pelo menos do ponto de vista artístico.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!